segunda-feira, 6 de abril de 2015

Um mês...

Um mês... Parece mentira. É mentira e para mim sempre será. Não consigo acreditar. A ficha não caiu. Dou por mim quase todos os dias a pensar em ti e na injustiça que te aconteceu, na rasteira que a vida te deu (nos deu). Porquê, porquê? Não dá para explicar! Entre tantos, porquê a ti? Aiii... Dói! Não era de todos os dias, mas era de sempre e para sempre. Desde o dia que nasci. É de sangue! Não há nada mais forte! Sempre de sorriso nos lábios, assim  prefiro recordar-te. Sabes o quanto gosto de ti... Não há palavras para conseguir expressar o que me vai na alma, a dor que carrego. Só peço, uma vez mais e as vezes que eu sentir necessárias, que me perdoes por não ter sido capaz de me despedir de ti. Para mim aquela não és tu. Nunca serás! Descansa em paz prima! Amo-te!


2 comentários:

  1. Descobri o teu blog por acaso e gostei muito da maneira que escreveste este post. Espero que estejas melhor em breve, os meus sentimentos pela tua perda.

    Ana, A Policromia
    A Policromia no Facebook

    ResponderEliminar
  2. Olá Ana, muito obrigada pelo teu comentário (e ainda bem que esse acaso aconteceu). Obrigada também pela força. Gostei do teu blog, parabéns...

    Beijinhos, Catarina

    ResponderEliminar